Cheio de significado, o rosa volta à cena na decoração, roupas e até nas bebidas

Em 2016, a Pantone apontou como tendência a cor Rose Quartz, definida como “um pink suave e romântico”. O tom se espalhou pelas araras das grandes lojas de fast fashion e nos objetos de decoração. Quando parecia ter sido esquecido, renasceu em um matiz um pouco mais escuro e tem chamado a atenção sob o nome de Rosa Millennial. Uma grande surpresa, já que em 2017 os holofotes estavam apontados para o verde Greenery, também uma aposta da Pantone.

“O rosa traz conforto psíquico. Ele carrega a sensação de infância, que nada mais é do que a ideia de estar seguro e protegido”, explica a semioticista Clotilde Perez, que destaca ainda que a definição de millennial surge para demonstrar que a cor, ao contrário do que muitos pensam, conversa com todas as idades e todos os gêneros. “É um tom horizontal”, define.

O matiz ganhou espaço graças ao impulso midiático que recebeu e por isso também é chamado de “Rosa Tumblr”. Mas não é apenas na plataforma que a cor é destaque. No Instagram, os filtros com efeito “envelhecido” fortalecem a presença do tom. “A cor está tão em alta que até o vinho rosé voltou a ser protagonista nas recepções”, destaca Clotilde. Mas não foi só esta a bebida que caiu nas graças do rosa millennial. A marca de tequila Código 1530 já anunciou a sua versão na cor também.

Já no décor, o tom chega como um rosa quase queimado, partindo do bege avermelhado e indo até o pêssego. “São mais envelhecidos e elegantes, mais sofisticados e um pouco mais pastel”, indica Fernanda Figueiredo, gerente de Cores e Comunicação da AkzoNobel Tintas Decorativas. “A gente pode observar essa tendência partindo do cobre que está bem presente na decoração atualmente”, complementa Clotilde.

O passeio pelas cores é natural e enriquecedor. “Acreditamos que os tons de rosa ainda permearão o inconsciente coletivo por um bom tempo, mas vale aqui reforçar que não é, necessariamente, um tom em si, mas a gama de rosas acinzentados que estão e estarão em evidência”, explica Fernanda, e ainda reforça que o motivo é a simples busca pela sensação de aconchego em tempos agitados.

Dentro de casa, o objetivo é brincar e ousar com a cor. “Ela pode estar em paredes, móveis, objetos. O segredo utilizá-la de forma pontual ou mais notadamente no ambiente”, aconselha a arquiteta Beatriz Ottaiano, do escritório doob arquitetura.

Fonte: http://revistacasaejardim.globo.com/